segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Quando encontrei Dumont e Lattes ao caminhar por Paris

A maioria das pessoas conhece o nosso mais famoso inventor: Santos Dumont (1873-1932). Aqui em Paris, onde estou agora, ele fez muito sucesso no começo do século 20, com os seus balões e aviões. O mais famoso é o 14 bis, que ele demonstrou a possibilidade de um dispositivo com densidade muito maior que do ar, levantar voo por conta própria. Já falei sobre isso nesse blog em 2005: "A leveza do mais pesado que o ar". Além disso, o modelo do Demoiselles ficou famoso e inspirou muito os atuais ultra-leves.




César Lattes (1924-2005), que muitos hoje somente conhecem por causa do Currículo, o que é um absurdo, pois ele foi um dos maiores físicos brasileiros de todos os tempos, descobridor de uma partícula elementar, o méson pi. Curiosamente, a descoberta de César Lattes também começou na França. César Lattes, estava trabalhando em 1947  no H. H. Wills Laboratory da Universidade de Bristol, dirigida por Cecil Frank Powell (1903-1969) em Londres, quando teve a ideia de aumetar a quantidade de Boro nas chapas fotográficas que eram utilizadas para a detecção de partículas elementares. Ele entregou algumas dessas chapas para colegas que pretendiam esquiar na França. Ao voltarem para Inglaterra um dos colegas notou as primeiras evidências da partícula que ficou conhecidada posteriormente como  méson pi (ou píon).

 

Mas o que ambos tem  a ver com a minha passagem em Paris? Hoje caminhando na direção do Institute de NanoScience de Paris, que está na região de Bociaut, enquanto ocorre a reforma do campus da Université Pierre et Marie Curie em Jussieu, na Rue de Lourmel dou de cara com a seguinte placa de dois médicos parisienses:




 Provavelmente esses médicos não são parentes de Santos Dumont e César Lattes e nem sabem que têm sobrenomes  de brasileiros famosos. Foi uma extraordinária coincidência topar com essa placa, que leva o nome de pessoas que foram importantes para inspirar  a minha trajetória de vida , principalmente a de cientista, que me leva hoje a fazer  essa caminhada  pelas frias ruas de Paris no outono de 2009.






5 comentários:

  1. Olá Adilson!
    Belíssimo texto, sua carreira de jornalista literário vai mesmo de vento em popa! Para variar, aprendi muito sobre Santos Dumont e César Lattes, graças a estas prosaicas placas de consultório médico e à sua criatividade apaixonada!
    Parabéns e bons estudos por aí!
    Mariana

    ResponderExcluir
  2. Inacreditáveis essas coincidências!Muito bom!!!
    João

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelos comentários.
    Eu acho que vale uma chamada na ClickCiência.
    Um abraço
    Adilson

    ResponderExcluir
  4. Adilson. Mesmo que nao entre muito em seu blog, por conta de uns problemas diarios, gosto muito das informaçoes nele contidas. Quero ser astrofisico.
    As informaçoes sao muito legais e realmente me ajudam a nao desistir. VLW

    ResponderExcluir
  5. Caro Vorian,
    Obrigado pelo comentário. Fique sempre a vontade para comentar e criticar os conteúdos daqui.
    Um grande Abraço
    Adilson

    ResponderExcluir

Todos os comentários são bem vindos desde que sejam pertinentes aos posts