terça-feira, 9 de outubro de 2007

Saiu o Prêmio Nobel de Física de 2007 - Spintrônica

A Academia de Ciências da Suécia divulgou hoje os ganhadores do prêmio Nobel de Física. Foram os físicos francês Albert Fert e o alemão Peter Grünberg pela descoberta do efeito da magnetorresistência gigante, descoberto, de maneira independente, pelo grupo desses pesquisadores. Essa descoberta permitiu o desenvolvimento de hard disks mais compactos que puderam revolucionar a informática. De fato, esse trabalho deu o grande impulso para a Spintrônica - a eletrônica de spins, que é um novo campo que utiliza não somente a carga do elétron, mas também o spin para controlar e manipular informações.

Essa descoberta desse fenômeno se transformou em aplicação tecnológica em uma escala de 5 anos. Talvez não aconteceu algo antes tão rapidamente na Física.

O destaque importante é que o primeiro autor do artigo de 1988 (Phys. Rev. Lett. 61, 1988, 2472) é o físico brasileiro que trabalha na UFRGS, o Prof. Mario Baibich, que observou o fenômeno pela primeira vez.

É importante destacar que inúmeros pesquisadores brasileiros trabalharam (e trabalham) diretamente com Prof. Fert, como o Prof. Dante Homero Mosca, da Universidade Federal do Paraná e o Prof. Luiz Fernando Schelp, da Universidade Federal de Santa Maria.

O meu grupo de pesquisa da UFSCar, o Grupo de Supercondutividade e Magnetismo, mantém intercâmbio com esse grupo francês, onde um de nossos alunos estagiou (Dr. José Varlda) por mais de um ano.

4 comentários:

  1. Professor Adilson.

    A que se deve o 'esquecimento' dos autores originais dos artigos, tanto o Baibich quanto o G. Binash ?

    Os premiados foram co-autores, não entendo essa premiação. O senhor teria mais alguma informação?

    ResponderExcluir
  2. Caro Tiago,
    Os premiados não são apenas co-autores, mas sim os chefes dos grupos de pesquisa nos quais foram feitas as descobertas. Além disso, não somente esse artigo está valendo o Nobel, mas também todo o avanço que esses dois pesquisadores fizeram no entendimento desse fenômeno. Não se ganha o prêmio apenas por um artigo, mas sim por toda uma vida de trabalho.
    Um abraço
    Adilson

    ResponderExcluir
  3. Adilson,

    Aproveito para sugerir que você, se possível, aproveite para relatar algo sobre o "estado da arte" cá no Brasil. Na minha cabeça não entra explicação para o fato de que - tendo a 2ª maior fábrica da IBM, em Sumaré - o Brasil possa ter deixado criar um gap tecnológico tão grande na área da informática (sim... eu sei dos governos militares e a bendita "reserva de mercado"...)

    ResponderExcluir
  4. Olá João Carlos,
    Essa semana escreverei sobre o tema na minha coluna no Ciência Hoje-on-line, que também sempre aparece aqui.
    Um abraço
    Adilson

    ResponderExcluir

Todos os comentários são bem vindos desde que sejam pertinentes aos posts