quinta-feira, 18 de outubro de 2007

A estupidez de um ganhador do prêmio Nobel

Nessa época, todos os anos, a Academia de Ciências da Suécia divulga os ganhadores do Prêmio Nobel, e costuma aparecer em todas os jornais e televisões. Receber esse prêmio coloca os ganhadores em uma galeria que é preenchida pelas maiores mentes da humanidade nos últimos 100 anos, como Einstein, Bohr, Feymann só para citar os de Física.

Entretanto, ganhar tal prêmio não dá o direito do ganhador achar que tem a visão mais ampla e clara do que todos.

Hoje na Folha de S. Paulo há uma matéria referente a chocante declaração do biólogo James Watson, ganhador do prêmio Nobel pela descoberta da estrutura do DNA, sobre a sua visão que os africanos (e os seus descendentes) são menos inteligentes que os europeus. Nas palavras do "ilustre" cientista:

"Todas as nossas políticas sociais são baseadas no fato de que a inteligência deles [dos negros] é igual à nossa, apesar de todos os testes dizerem que não", afirmou o cientista. "Pessoas que já lidaram com empregados negros não acreditam que isso [a igualdade de inteligência] seja verdade."

Tal declaração não tem a base científica que ele alega. Além disso há todo um contexto social, cultural da brutal exploração que as pessoas daquele continente sofreram ao longo de séculos. Ser o fundador da Biologia Molecular não dá o direito de afirmar tal coisa, pois a inteligência vai muito além dos genes. Realmente é uma visão simplista (e idiota) demais. Ele passou do limite com essa afirmação.

Uma pergunta: uma declaração como essa não seria crime até aqui no Brasil, com prisão sem direito a fiança?


11 comentários:

  1. Respondendo à pergunta final: sim. Quanto à argumentação de Watson, nem é necessário criticar... Basta ler "Thinking about thinking" do Asimov e avaliar o que valem esses tais "testes de QI"...

    ResponderExcluir
  2. E, depois que a lambança foi feita, o Dr. Watson tenta tampar o sol com uma peneira: Nobel se desculpa por declarações sobre inteligência negra...

    O interessante é que ele lamenta a repercussão negativa, mas, na prática, não retira uma única palavra.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo12:21 PM

    Muito engra�ado, vale quesionar a que grupo de interesse o cientista pertence e quem financiou para que ele fizesse tal declara�o. Essa afirma�o nos remete a teoria caucasiana cultuada, at� hoje, por grupos homof�bicos, covardes, especialistas na arte de atacar idosos e desvalidos. Ser� que um detentor de premio nobel precisa de declara�es pol�micas para se manter na m�dia? Imagina a qualidade da pesquisa realizada por ele... Ah, ah, ah....
    Jorge Luiz Lucas de Paiva - Pedagogo - Bras�lia / DF.

    ResponderExcluir
  4. Se por um lado Watson fez um comentário imbecil, como fez, acho imbecil também a idéia de querer prendê-lo por fazer um comentário imbecil. A questão passa pelo fato de que cientistas estão justamente lá para gerar o debate em torno de tabus. Se, de repente, proibirmos a possibilidade de um tipo de investigação ou outro, estaremos aceitando dogmas, o que é abominável. Se Watson disse algo imbecil, devemos nos ater a condenações no nível que ele mais se importa: o das idéias. Que aliás já veio e veio rápido (acho que não teve um cientista que endossou a opinião dele...).

    O que é irônico é que James Watson está fazendo, de certa forma, uma defesa do sistema de cotas...

    ResponderExcluir
  5. Caro Professor,
    Não sou racista, não tenho qualquer tipo de encucação sobre meus irmãos negros, brasileiros ou não. Mas gostaria de entender a causa de tal declaração, não pode estar apoiada somente no preconceito, ele, como cientista, deve ter critérios científicos, que determinam seus estudos e afirmações. Não estou dizendo que o cientista está certo, tenho as minhas convicções, e sei que não trata - se de uma mentira, Negros, minha Filha é descendente de afrobrasileiros, são muito inteligentes, eu posso atestar. Mas, minha curiosidade, reside no fato de um Nobel, proferir tal absurdo, e ninguém da corda para ele se enforcar. Ficou barato essa história.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Em lugar de: " ... e sei que não trata -se de uma mentira", por favor retire o não.
    Um Nobel da Paz, por exemplo, dizer que o nefasto Nazismo, teve suas razões, é algo que deixaria o planeta chocado, dito por um nobel.Como e por quê ele chegou a tal conclusão? Existiu falha na avaliação por parte do comitê de avaliação do Nobel, esse senhor já deve estar na casa dos oitenta.
    Não gostei do desfecho.

    ResponderExcluir
  7. Olá, Fiquei contente com tantos comentários sobre essa nota.
    Respondendo a todos:

    João Carlos: De fato ele desculpou, mas não admitiu o erro.

    Jorge Luiz: O James Watson não apenas descobriu o DNA, mas ajudou a desenvolver a biologia molecular. De fato não há uma correlação entre capacidade intelectual com senso de ética e moral.

    Shridhar. Considero que se o Watson tivesse feito essa declaração no Brasil, que pune esse tipo de racismo, pelo menos em tese, deveria ser preso sim. Não é uma questão de não permitir o livre pensamento, mas ofender todo um povo e cultura. Se ele de fato tivesse demonstrado o que ele afirmou seria diferente, pois não estaria errado. Mas especular dessa forma é de fato crime, no meu ponto de vista.

    Tene: Segundo a matéria do jornal ele afirmou que "experiências mostraram" que o que ele afirma era verdade, mas ele não mostrou nada. Talvez você esteja confundindo, mas o Watson ganhou o prêmio Nobel há mais de 30 anos.

    Obrigado a todos pelos comentários

    ResponderExcluir
  8. O Watson é bastante conhecido por fazer comentários polêmicos com muito mais preconceito do que fundo científico.

    Há um caso que ele defendia que, se houvesse uma causa genética para o homossexualismo, as mulheres grávidas poderiam abortar o bebê que carregasse o gene porque toda mulher tem direito a ser avó.

    Ao contrário do Crick, o Watson não melhorou com a idade...

    Shridhar, não sei porque vc colocou as cotas no meio. As políticas de cotas, independente de vc concordar com elas ou não, partem de dados sociológicos e não biológicos.

    ResponderExcluir
  9. Estendendo um pouco mais meus comentários anteriores (e aproveitando para agradecer ao Adilson ter me proporcionado uma matéria para o "Roda de Ciência" deste mês), a questão toda se resume aos critérios para avaliação de "inteligência" (tendo sempre em mente que "intelligence", em inglês, se traduz como "informação", em português; o que já dá "pano pra manga").

    Um dos argumentos que o Isaac Asimov usa para demolir os argumentos racistas que se baseiam em avaliações de QI (lembrando sempre que ele foi vice-presidente da "Mensa Internacional"), é o fato de que os critérios são sempre estabelecidos pelo estamento dominante em uma determinada sociedade. Como exemplo ele aponta para si próprio e mostra que, por não saber patavina de latim, no século XVII, ele seria considerado um ignorante, enquanto que, no século XX, ele era tido como portador de um QI impressionante. Como ele diz, nem um só de seus neurônios teria que mudar: o que mudou foi o critério.

    Sempre que este tipo de questão surge, eu me escandalizo com o fato de Francis Bacon ter descrito seus "Ídolos" em 1620 e aqueles, tidos como "sábios", continuarem a insistir em turbar o pensamento com falácias até hoje!

    ResponderExcluir
  10. Anônimo8:17 PM

    bom acho , que este comentario ,deste cientista foi estupido arrogante e debil ,bom acho que ele nao conheci a historia , se ele pesquisase + poderia ver e conhecer grande exemplos de negros que sao verdadeiro genios bem + brilhantes que ele como por exemplo Dr. Vivien Theodore Thomas (29 de agosto de 1910 — 26 de novembro de 1985) foi um técnico cirúrgico afro-americano que auxiliou no desenvolvimento de procedimentos usados para o tratamento da síndrome dos bebês azuis na década de 1940.
    Com um limitado grau de educação formal, Thomas lutou contra a pobreza e o racismo para se tornar um pioneiro na área da cirurgia cardíaca e um professor para estudantes que se tornariam os melhores cirurgiões dos Estados Unidos.

    ok

    ResponderExcluir
  11. Concordo plenamente com você.
    Todos somos seres humanos.
    Existem diferenças individuais, mas jamais coletivas, principalmente quando se trata das habilidades de cada um
    Obrigado pelo comentário
    Um abraço
    Adilson

    ResponderExcluir

Todos os comentários são bem vindos desde que sejam pertinentes aos posts